segunda-feira, 29 de maio de 2017

DIA DE IR VER O MAR

Ontem foi dia de ir ver o mar na companhia da minha fininha, de vez em quando sabe bem uma voltinha assim mais longa e ontem foi dia de sair para dar corda aos pedais..


Sai de casa e passei a Sertã, ainda havia gente a sair da discoteca, estavam de volta da roulote a beber mais umas bujecas e a comer o belo cachorro.


Uns deitam-se pela madrugada outros levantam-se pela madrugada, cada um com a sua doideira, mas não é por nada mas eu sinto-me melhor levantar-me de madrugada...


Sai da Sertã pela rotunda da Eirinha e Fonte Branca, com o dia meio nublado lá segui pelo Vale Martinho, Faleiros, Fonte da Mata e Porto da Cruz.


Aqui segui á direita e passei Casal do Porto, Estradinha, Moinho de Vento, Carvalhos e desci até á Barragem da Bouçã, passei a ponte que passa por cima do Rio Zêzere e toca a subir.
Lá fui subida fora até Corisco, Bairrada, Marvila, Aldeia Cimeira e Figueiró dos Vinhos, fiz uma paragem no Café - Casa de Chá para beber o cafézinho..

Café tomado segui com mais pedaladas, continuei para Chavelho, Caparito, Aldeia Ana de Aviz e desci até á Ribeira de Alge, depois da ponte uma ligeira subida até ao Avelar.


Aqui o tempo parecia estar mais agradável, menos nuvens e o sol já a querer espreitar, lá segui para Zona Industrial do Camporês,  Alem Ponte, Ramalhais, Pousios e mais um pouco cheguei a Pombal.


Fiz uma paragem na Pastelaria Diogo para comer alguma coisa, a viagem ia ser longa e tinha que encher a barriga, barriga cheia lá segui viagem..

Sai de Pombal em direção da Charneca do Vale, Crespos, Mendes, Bajouca, Monte Redondo, Coimbrão e mais umas pedaladas cheguei á Praia de Pedrogão..
Foi bom sentir o cheiro do Mar, mas a volta ainda estava para durar, passei pela Marginal e segui até à Praia da Vieira, passei rente ao mar e depois de umas fotos segui até á Praia de São Pedro de Moel.


Aquelas rectas que não têm fim, aquilo é pedalar e nunca mais acaba a reta, em São Pedro de Moel estava a decorrer uma prova de atletismo, era gente com fartura...


Depois de uma breve paragem segui até á Marinha Grande, aqui a chuva deu para arrefecer um pouco, passei  Marinha e continuei para Maceirinha e depressa cheguei á bonita cidade da Batalha.


Fiz mais uma paragem para comer alguma coisa, uma bela sandes de presunto acompanhada de uma bujeca fresquinha, soube mesmo bem, assim já dava para mais uns km..


Com a chuva a começar a cair lá tive que continuar, à saída da Batalha ainda tive que vestir o impermeável, mas na subida para o Reguengo do Fetal a chuva parou.
Passei Reguengo do Fetal e subi até Vale da Seta, aqui a coisa era mais plana, já dava para recuperar um pouco, continuei pelo Covão da Carvalha e Vale de Ourem.

Entrei depois em Fátima e fui dar uma vista de olhos ao Santuário, tirei umas fotos e segui para o resto da voltinha, desci pela bela descida de Alvega.


Mais ou menos ao meio da descida encontrei o Pedro Tavares que vinha com a malta dos Penevês, ali estivemos um pouco na conversa, mas tinha que seguir é que eu ainda tinha uns km pela frente.

Despedi-me do Pedro e segui até São Sebastião, Pinhel, Corredoura e Ourém, aqui vinha mais uma grupo de malta, mais uma paragem para conversar com o Bandeiras e o Sergio.


Depois de dois dedos de conversa lá segui cada um com o seu destino, despedi-me deles e continuei para Lagarinhos, Olaias, Alburitel, Vale dos Ovos, Carregueiros e cheguei a Tomar.

Aqui fiz mais uma paragem para comer alguma coisa, mais umas calorias para o resto da voltinha, com a barriga mais composta segui viagem.


Sai de Tomar em direção de Alvito, Venda Nova, Vale da Trave, Pintado e Manobra, aqui segui á esquerda e entrei na antiga estrada para Ferreira do Zêzere.


Passei Alviobeira, Portela de Nexebra, Salgueiral e Água de Todo o Ano, passei ao lado de Ferreira do Zêzere e segui para Venda da Serra, Águas Belas, Bela Vista e Vales.


Aqui tinha uma boa descida pela frente até ao Vale Serrão, lá fui sempre descontraído, tinha que descansar para a subida que ainda tinha pela frente..


Passei Vale Serrão e desci mais um pouco até á Ponte do Vale da Ursa, depois da ponte vinha a subidinha até ao Casal da Madalena, nas calmas lá fui indo..

Passei a Portela da Oliveira, Casal da Madalena e entrei em Cernache, agora era aproveitar a descida até á Sertã, passei Porto da Cruz, Fonte da Mata, Faleiros, Fonte Branca e entrei na Sertã..

Fui até ao Bar da Carvalha beber um cervejinha, acho que bem merecida depois de uma boa voltinha..


Ali estive a descansar um pouco enquanto bebia uma fresquinha, foi um voltinha longa num dia meio nublado e alguma chuva, mas mesmo à maneira.

Para terminar subi mais um pouco até á Mogueira onde cheguei depois de uma grande voltinha em solitário e sempre com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR.
















Sem comentários:

Enviar um comentário