domingo, 22 de outubro de 2017

VOLTINHA BEM DESCONTRAÍDA

Hoje para a minha voltinha tive a companhia do Mário Manso, já não tinha a companhia dele á muito tempo, tem andado muito recolhido, anda com muita preguiça..


Saímos de carrinha e fomos até Pedrogão Grande, estacionamos a viatura, preparamos as bikes e lá seguimos para uma pequena voltinha ali pela zona..


Para começar descemos até á Ribeira de Pera, para aquecer a coisa cortamos á esquerda e por uma boa subida fomos ter ao Sobreiro, uma aldeia ali mesmo ao lado do Rio Zêzere...


Passamos a aldeia e seguimos para a Mó Pequena, Casalinho, Mó Grande, Lameira Cimeira e Ramalho, andamos por ali a ver umas estradinhas mais escondidas, vimos muita tristeza, tudo queimado....


Depois dos Ramalhos continuamos e fomos até á Senhora da Piedade, Outão, Pinheiro Bordalo e com mais umas pedaladas chegamos a Figueiró dos Vinhos...
Fomos até á Pastelaria os Renatos para comer alguma coisa, comemos um belo bolinho ali bem sentadinhos, era mesmo docinho, soube mesmo bem...



Barriga mais composta seguimos a voltinha e fomos em direção da Zona Industrial e Várzeas, ali tudo o que conseguimos ver está queimado, uma coisa sem explicação...

Depois das Várzeas fomos até Vila Facaia, Casal de Alem, Campelos e descemos até á Praia Fluvial do Mosteiro, passamos e fomos ver o belo espelho de água...


Tiradas umas fotos era hora de seguir viagem, subimos um pouco até aos Troviscais e continuamos até ás Fontainhas, para terminar era subir um pouco até Pedrogão Grande..


Entramos em Pedrogão e ali nos entretemos um pouco a vaguear pelas bonitas ruelas da vila, encontramos o amigo Rogério que nos convidou para ir-mos beber alguma coisa ao café dele...

Dois dedos de conversa enquanto adoçava-mos o bico, a conversa estava boa mas era hora de regressar a casa, fomos até á carrinha carregamos as bikes e regressamos a casa satisfeitos depois de uma bela voltinha.


Foi bom ter o amigo Mário de volta ás voltinhas, vamos ver se é para continuar, acho que o pior vai ser no inverno, acho que vai invernar....eheheheeheheh
E assim foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR...



domingo, 15 de outubro de 2017

SUBIDA DO PICO E DESCIDA DO PICOTO

Hoje foi dia montar a roda grossa, já há dois meses que não me punha em cima dela, tenho andado mais de fininha, mas já tinha saudades de umas pedaladas na minha grossa..


Hoje lá fui até ao Alto da Serra dos Alvelos ver as paisagens, a subida é das boas, são uns bons km sempre a subir é boa para aquecer...


Sai de casa subi até á Portela cortei á esquerda e fui até Poiares, aqui segui á direita e entrei na terra, desci um pouco e fui ter a uma estrada ao lado do IC 8, passei por baixo dele e segui até á Povoa...



Desci depois até ás Ribeiras Fundeiras e passei a Ribeira da Tamolha, as ribeiras vão quase secas já se passam se molhar o pezinho, isto está mesmo mau, não chove e os fogos nunca mais acabam...


Passei nas Ribeiras e fui até ao Outeiro da Várzea, por estes caminho fora até as lágrimas me vieram aos olhos, passar nestes cantinhos e ver tudo queimado, é desolador..


No Outeiro comecei a subir e fui até ao Alto das Fontainhas, segui por alcatrão para uns metros mais á frente cortar á direita e entrei na terra novamente, já não passava neste caminho á uns bons anos..


Segui e lá fui descontraído por ai fora, até perto da Ermida até que nem muito má, o pior vem depois, subir, subir, e mais subir até á Perna do Galego...


Uns metros em alcatrão e mais uma cortada á direita, e adivinhem lá se era a subir ou a descer, claro que era a subir e desta vez até ao alto do Picoto Rainho..


Lá fui subida fora cantando bem caladinho, aquilo sobe mas umas vezes dá para recuperar um bocadinho, a parte final é que é a pior, mas depois da boa subida lá cheguei ao alto da Serra dos Alvelos..


A paisagem lá no alto é uma maravilha, é uma boa recompensa depois da longa subida, ali me entre-ti a tirar umas fotos e a ver as belas paisagens...
Depois de uns cliks lá me fiz á descida, desci até ás Alinhas das Relvas, fiz um pouco do trajeto da Descida do Picoto á uns dias atrás, segui e fui até ao Figueiredo onde parei na Tasca para beber cafézinho...


Estava ali muita gente conhecida, foi um bocadinho de conversa enquanto bebia o cafézinho, mas as horas não perdoam e tinha que seguir viagem, despedi-me do pessoal e lá fui eu..


Desci até ao Ribeiro do Figueiredo e á saída da aldeia entrei na terra novamente, sempre com a pendente de descida lá fui pedalando até á Ponte das Portelinhas...


Já tinha saudades de passar por estes caminhos, e ainda vi uns bocadinhos de floresta verde, mas quando cheguei á Sertã ouvi a sirene dos Bombeiros e ouvi dizer que o fogo era naquela zono onde tinha passado.


Este ano querem queimar tudo, aquele bocadinho era um dos que restava aqui na zona, mas pelos visto já não sobra nada, QUE GRANDE CAMBADA...QUEIMA-LOS AINDA ERA POUCO...

Nas Portelinhas segui por um caminho sempre ao lado da Ribeira da Sertã, deste lado da ribeira está tudo queimado, até mete dó, passo por ali e sinto uma grande tristeza...


Lá fui pedalando e fui ter ás Torneiras, Lameiros e Aldeia Cimeira da Ribeira, subi um bocadinho e fui ter ao Casalinho de São Fagundo, cortei á esquerda e desci até ao Pego do Mouro..



Passei a ribeira já seca e subi até á Rotunda da Senhora do Remédios, segui á direita e desci até á Sertã, passei o Jardim da Carvalha e fui fazer uma paragem no Bar o Palheiro para beber uma fresquinha..


Com a voltinha feita ali estive a refrescar com um imperial fresca, soube que nem ginjas, o calor ainda não se foi embora e uma bujeca fresca sabem sempre bem...


Com a hora do almoço a chegar lá tive que ir embora, para terminar subi até ao Montinho e com mais umas pedaladas cheguei á Mougueira depois de uma bela voltinha na minha grossa..


E assim foi mais uma bela voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR...



sexta-feira, 13 de outubro de 2017

SANTA MARIA MADALENA

Sexta feira 13 dia de pedaladas pela manhã, fui ver se encontrava alguma bruxa pelo caminho, mas nada, nem velas, se calhar ainda estavam a dormir...


Sai de casa desci até á Sertã e fui até á Rotunda da Eirinha, segui depois até ao Alto do Boeiro, Olival e Outeiro da Lagoa, a manhã estava bem fresquinha, para a semana já dão chuva, ainda bem, faz cá muita falta...

Já no alto segui e passei Lameira da Lagoa, Ponte do Robalo, Nesperal, Vale Matias Afonso, Paparia e entrei em Cernache do Bonjardim..


Ainda estava todo muito sossegado, o carro do lixo foi o único que encontrei a fazer barulho, não deve de ser fácil andar a apanhar a porcaria que os outros fazem, tenho muito respeito por estes senhores...


Continuei pela Roda e lá fui até ao Alto de São Macário tb conhecido por Igreja de Santa Maria Madalena, lá do alto as paisagens são um espetáculo, e ver o sol nascer dali é mesmo fixe...

Cheguei á Capela e ali estive a ver a paisagem, já lá vinha o sol a querer espreitar, é mesmo fixe levantar cedo dar umas pedaladas logo cedinho e ver aquela maravilha...


Depois de umas fotos lá segui com a voltinha, desci até Cernache e segui pelo Alto Ventoso, Vale da Lata e Porto da Cruz, entrei depois na variante e fui ter ao Vale Cortiço..


Na rotunda cortei á direita e entrei na Nacional 2, aqui o motor já ia mais quentinho, as pedaladas fizeram-lhe bem..


Continuei pelo Casalinho, Tapada, Aveleira, Alto da Carreira, Zona Industrial, São João do Couto e entrei na Sertã pela Rotunda da Eirinha..


Passei a vila mais movimentada, subi até ao Montinho e com mais umas pedaladas cheguei á Mougueira depois de uma bela voltinha...
E assim foram mais umas pedaladas até ao alto de Santa Maria Madalena sempre com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR...





quarta-feira, 11 de outubro de 2017

FOLGA-SIPOTE

Mais um dia e mais uma voltinha, manhãs bem fresquinhas por esta altura do Outono, nos sítios mais altos até que a temperatura não está muito má mas nas baixas está bem fresco...


Sai de casa e fui até á Portela dos Bezerrins, segui em frente até ao Moinho do Cabo, Vale do Pereiro, Moinho Branco e Maljoga..


Ainda era de noite quando sai de casa, tenho que levar uma lanterna para ver os buracos na estrada, no final do mês quando mudar a hora já dá para ver melhor, mas até lá tem que ser assim...


Na Maljoga segui á esquerda para a Isna de São Carlos e Aldeia Ruiva, passei a ponte que passa por cima da Ribeira da Isna e subi um pouco até ao Cabeço do Moinho..


Continuei desci um pouco e cortei á esquerda para o Blanzel e para a Folga, duas aldeias meio perdidas num vale.
Depois da Folga a coisa doí um pouco, á por ali uma bela subidinha até ao Malhadal, acho que aqui pela região é das piores, é bem inclinadinha...


Como a manhã estava fresca lá fui pedalando para aquecer um pouco, já no alto e safo da subida cortei á esquerda e desci até á Praia Fluvial do Malhadal..

Desta vez não parei segui e passei pelos Braços e subi até ao Sipote, passei a aldeia e subi mais um pouco até ao Alto das Fontainhas onde parei para provar uns belos medronhos...


Degustados os belos medronhos segui pelo Maxial dos Hilários, Pisão e cheguei á Várzea dos Cavaleiros, aqui fiz uma paragem para beber um cafézinho...

Depois de dois dedos de conversa e tomado o cafézinho segui para o resto da voltinha, passei Aldeia Velha, Póvoa, Poiares, Ramalhosa, Portela e desci até á Mougueira.


Cheguei a casa satisfeito com mais umas belas pedaladas logo pela fresca e sempre com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR...