domingo, 3 de dezembro de 2017

PENELA

Hoje para a minha voltinha tive a companhia do Zé Almeida, ele tinha que ir a Coimbra tratar de umas coisas e ia de bike, telefonou-me se eu queria ir com ele, eu claro aceitei logo o convite...


Para fazer uma volta circular e começar um pouco mais tarde por causa do frio, planeamos começar a volta na Aldeia da Cruz, perto de Aldeia de Ana de Aviz...


Sai de casa e fui até Pedrogão Pequeno, apanhei o Zé e fomos até á Aldeia da Cruz, a temperatura era um pouco estranha, a coisa prometia...


Depois de estacionar a viatura e preparar as coisinhas lá fomos apanhar um pouco de ar fresco, uii e bem fresco, a geada nas hortas parecia neve, a velhinha andou a espalhar farinha durante a noite..


Para começar descemos até Aldeia de Ana de Aviz, a descida foi bem fresca, passamos a ponte e subimos um pouco, esta nem deu para aquecer, queríamos mais subidas.



Mas o que vinha pela frente era mais uma descida e esta um pouco longa até á Ribeira de Alge, esta doeu um bocadinho por causa do frio, a subir era bem melhor..
Passamos a ponte que passa por cima da Ribeira de Alge e subimos até Almofala de Baixo, esta subia é ligeira e bem fixe com as umas belas curvinhas..

No alto seguimos por Pontão, Baiuca, Tojeira, Venda das Figueiras e Venda dos Moinhos, aqui fizemos uma paragem para beber um cházinho, foi para aquecer o corpo e a alma...eheheheeh


Foi esfregar as mãos para as aquecer que elas vinham bem frias enquanto bebíamos o chá para aquecer por dentro..

Depois de aquecer um pouco seguimos a voltinha, aquilo era a rolar e assim não dava para aquecer, passamos Ferrarias, São Simão, Casais da Cabra, Pastor, Rosas e Ponte do Espinhal..


Era para subirmos para Penela mas o Zé não conhecia a estradinha que segue ao lado do Hotel, decidimos ir em frente até perto de Casal Pinto...


Em Conversa disse ao Zé que já por ali tinha passado algumas vezes em direção a Ceira e Coimbra, como ele nunca lá tinha passado decidiu segui viagem por ali...
Despedi-me dele e lá foi ele ver se aquecia um pouco, mais á frente tinha a subida de Podentes que dava para aquecer um pouco...



Eu segui á esquerda e subi até Penela, em vez de seguir para o meio da vila vi uma calçada á direita que vai dar ao Castelo, lá fui e dei a volta por trás da vila e fui ter perto do Castelo..


Passei nas ruelas e subi até ao Castelo, parei para tirar umas fotos e ver as belas paisagens lá do alto, está a decorrer o Presépio de Natal mas só abre ás 10 h, como ainda era cedo decidi seguir viagem...


Desci um pouco e entrei na Estrada Nacional em direção de Coimbra, mas um pouco mais á frente cortei á esquerda para o Espinheiro...

Depois de subir um pouco era descer até ao Rabaçal, passei ao lado do Castelo de Germanelo e depressa cheguei ao Rabaçal..


Fiz um paragem no Café o Bonito para comer alguma coisa, ali o que se pode comer, uma sandes de queijinho do Rabaçal, claro...

Aquilo não era uma sandes mais parecia um pão de kilo, foi mesmo para encher a barriga, estava mesmo saboroso, uma maravilha...


Com a barriga mais composta lá me fiz á estrada, segui um pouco até á Ribeira de Alcalamouque e cortei á direita para Vale Florido e Alvorge...


Aqui o solinho já aquecia um pouco, o frio já tinha passado, de manhã cedo custa sair mas depois de aquecer um bocadinho até a voltinha sabe bem...


Passei em Alvorge e segui pela Junqueira, Casais da Granja, Lagoa e Ansião, aqui era para beber alguma coisa mas não me apeteceu parar, segui com as pedaladas...


Passei ao lado do Nascente do Rio Nabão e subi até á Zona Industrial do Camporês, com mais umas pedaladas passei Lameiras e Pontão...

A voltinha estava a ser bem porreira, segui depois em direção de Almofala de Baixo, Almofala de Cima e upa upa até á Aguda...

Bela subidinha, curta e grossa, esta deu para suar um pouco, no alto segui e fui até ao Fato, passei por cima do IC 8 e mais á frente encontrei Salgueiro da Ribeira e Salgueiro da Lomba...


Aqui a estradinha já é minha conhecida, umas belas curvinhas e um bom sobe e desce, é pena estar tudo ardido, as paisagens era mais bonitas mas mesmo assim gosto de ali passar com a minha fininha...


Quase a terminar a voltinha subi até Chimpeles e mais um pouco até Casal da Cruz de onde tinha saído umas horas antes...

Uma voltinha bem fresquinha com uma bela camada de geada, as temperaturas foram sempre bem baixinhas..



Carreguei a bike e regressei a casa satisfeito com mais uma bela voltinha nesta manhã de domingo, obrigado Zé pela companhia até Penela...
E assim foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR...




sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

VOLTINHA VESPERTINA

Hoje mesmo sendo feriado foi dia de trabalho, mas só da parte da manhã, de tarde fui a uma consulta de terapia com a minha grossa por esses trilhos fora...

Sai de casa subi até á Portela dos Bezerrins e parei no Café a Gruta para beber um cafézinho, soube bem depois do almoço...


Depois do café toca a seguir para os trilhos, desci um pouco até Poiares onde entrei na terra, já tinha saudades de passar naqueles caminhos, passei por uns castanheiros bem coloridos e fui ter ao Moinho do Cabo..



Aqui cortei á direita e subi um pouco até ao Mato Souto, um lugar com três casinhas, duas delas com gente só ao fim de semana, um lugar mesmo recatado..

Passei o Mato Souto e continuei a subir até ao alto da Serra da Longra, já não subia ali á muito tempo, aquela subidinha dá bem para aquecer o motor..


Já no alto passei ao pé de um moinho recuperado, tirei uma foto e segui viagem, agora era descer até ao Marmeleiro, depois da subida soube bem a descida..
Passei o Marmeleiro onde encontrei muita gente a apanhar azeitona, é aproveitar enquanto o tempo está bom, este ano há muita azeitona os lagares têm que trabalhar com força...

Depois do Marmeleiro continuei pelas Cortes, lá fui sempre a dar ao pedal e segui até á Azinheira, aqui mais do mesmo, muita gente na apanha da azeitona, uns a trabalhar outros a andar de bike...


Ao fundo da aldeia parei para decidir para onde ir, as tardes são muito curtas, o sol vai-se embora muito cedo, e esticar muito a volta não era boa ideia...

Decidi descer pela estrada que segue para a Cabeça de Poço, ao fundo depois de passar a ponte que passa por cima da Ribeira da Isna segui á direita e entrei na Rota do Bostelim..


Maravilha de trilho, segui sempre ao lado da Ribeira da Isna e fui até á Ponte das Várzeas Carreiras, tb conhecida de Ponte da Tamolha, ali se junta a Ribeira da Tamolha com a Ribeira da Isna...

Quando entrei na ponte deparei-me com uma coisa muito estranha, os senhores da Câmara Municipal andam a recupera os muros da ponte e por incrível que pareça andam a rebocar os muros com cimento.

Será que os Srs Engenheiros não têm olhos na cara para ver aquilo, uma ponte que é Património Nacional e estão a fazer-lhe uma coisa daquelas, haja paciência....


Passei a ponte e um pouco mais á frente cortei á direita para seguir o percurso pedestre Rota das Estevas, uma boa parte do trajeto passa nas margens da Ribeira da Tamolha..


Um trajeto que já fiz uma carrada de vezes, mas sempre que lá passo fico encantado com ele, ouvir a ribeira a correr e os passarinhos é uma maravilha, hoje tb tive o prazer de ver uns javalis, um espetáculo...


Sempre descontraído lá fui indo trilho fora, passei o belo moinho ainda intacto, pena não estar estimado, já se encontram poucos como aquele e naquelas condições...


Ao terminar o trilho ao lado da Ribeira era hora de subir um pouco, lá fui subida fora até á Cumeada, fiz uma breve paragem no Café das Bombas para beber alguma coisa...


Um cafézinho para aquecer, estava um ventinho bem fresquinho, até cortava, foi bom para aquecer a barriga..
Café tomado segui para o resto da voltinha, passei pelo Vale da Cortiçada, Vaquinhas Cimeiras e Outeiro das Colheres, desci um pouco e cheguei á Mougueira depois de uma bela voltinha..

Uma voltinha nesta tarde de feriado, uma tarde que mesmo com o sol estava um friozinho de inverno, mas já cá fazia falta o frio, a chuva essa está com vergonha...

E assim foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR..



domingo, 26 de novembro de 2017

COENTRAL-SERRA DA LOUSÃ

Hoje foi dia de ir dar umas pedaladas lá para os lados do Coentral, existem por lá uns castanheiros que por esta altura têm umas cores bem bonitas, todos os anos vou lá ver aquela maravilha...


Carreguei a bike na carrinha e lá fui até á Derreada Cimeira, mas antes de seguir viagem fui beber um cafézinho e comer o belo pastelinho de nata á Pastelaria Estrela Doce, não podia faltar...



Com a boca mais doce segui viagem até á Derreada Cimeira, estacionei a viatura, preparei as coisinhas e lá me fiz aos trilhos, a manhã estava bem fresquinha, um ventinho já de inverno...



Para começar foi logo a subir , até soube bem para aquecer um pouco, sempre descontraído fui ter ao alto onde se avista a bela aldeia do Camelo do lado direito e Castanheira de Pera do lado esquerdo..

Aqui já ia bem quente, mas a subida ainda não acabava por aqui, ainda tinha uns km de subida até perto do Santo António das Neves, não era muito inclinada mas era bem longa..
Com uma bela paisagem fui indo até ao Parque eólico, estava um ventinho refrescante, era bom para as ventoinhas rodarem com força...
Parei para ver as bonitas paisagens e tirar umas fotos, um espetáculo as vistas ali do alto, a subida custou mas as paisagens são uma bela recompensa..


Depois de umas fotos segui com a voltinha, segui um pouco pela esquerda e passei perto do nascente da Ribeira de Quelhas, parei para ver a água a correr por cima das pedras...


Sempre a contornar a serra á meia encosta lá fui todo contente a ver as belas paisagens e a desfrutar das pedaladas...


Um pouco mais á frente encontrei o Nascente da Ribeira de Pera, a Serra da Lousã tem muita água, mesmo a boa altitude encontram-se alguns regatos sempre a correr, a chuva que caiu já avivou os nascentes...


Continuei e um pouco mais á frente vi passar dois veados, um espetáculo ver os bichinhos aos salto mata fora, por acaso ia atento a ver se via algum, tive sorte...



Mais umas pedaladas e passei ao lado do Coentral das Barreiras e Coentral do Fojo, aqui mais dois veados, lá fui nas calmas e consegui tirar uma foto lá ao longe, os gajos são timidos...

Passei ao lado da Ribeira das Cavadas e fui entrar num vale de castanheiros que é uma maravilha, já lá passei algumas vezes mas parece que é sempre a primeira vez...


Fui indo e parando para tirar umas fotos, desci uma calçada e do lado direito mais dois veados, estes fugiram logo só deu para ver a cor do pelo..eheheheheh



Mais umas pedaladas e entrei no Coentral Grande, ali me entre-ti a passear por umas ruelas bem estreitinhas, um espetáculo, foi mesmo fixe..


Ainda fui ver se café estava aberto, perguntei a uma senhora que ia a passar e disse-me que só abria depois da missa, não podia esperar tinha que seguir viagem....


Passei mais umas quelhas e segui por mais uma belas calçadas cheias de folhas acompanhadas de umas pedras bem escorregadias, sempre com muita atenção, todo o cuidado é pouco quando se anda sozinho..

Fui depois passar uma ponte romana que passa por cima da Ribeira de Pera, com mais umas pedaladas entrei em alcatrão e fui até ás Sarnadas e Pisões...

Entrei novamente na terra e fui até Botelhas e logo de seguida Bolo, bolo só de nome porque nem velo nem cheira-lo, continuei e fui até ao Restaurante da Corga, na Praia Fluvial do Poço da Corga...

A barriga já estava a pedir comida, entrei e vi uma travessa de fatias paridas, até os olhos se regalaram, foi logo uma fatiazinha e um cafézinho...um espetáculo, até te lembes...

Barriguinha mais composta segui viagem, passei Sapateira e Torgal, subi um pouco e fui ter á estrada que liga Castanheira e Pedrogão,

Até aqui mais uma boa subida, atravessei o alcatrão e desci para Gestosa Cimeira e Gestosa Fundeira, á saída da aldeia cortei á esquerda e upa upa, mais uma valente subida até Fontes...

Mais um pouco e cheguei a Vergeira, uma bela aldeia perdida no alto, por ali encontram-se muitas aldeias perdidas na floresta, muitas delas quase desertas...


Já no alto e safo das subidas foi cortar á direita e descer até á Derreada Cimeira onde tinha a viatura estacionada...
Cheguei arrumei a bike e os sapatinhos, regressei a casa satisfeito com mais uma bela voltinha com a minha grossa, passei uns trilhos espetaculares e ainda tive o privilégio de ver uns belos veados...


E assim foi mais uma voltinha numa manhã de domingo bem fresquinha sempre com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR...