terça-feira, 13 de novembro de 2018

ESCUDEIROS

Depois de uma fim de semana de chuva e sem vontade de dar ao pedal hoje foi dia de voltar ás voltinhas pela fresca, e hoje estava mesmo fresquinho...


Sai de casa subi até á Portela dos Bezerrins e segui á direita em direção do Salomão, Carrascal, Outeiro das Colheres, Vaquinhas Cimeiras e Bela Vista..


Já ia mais quentinho, as subidas não tinham sido muitas mas as pedaladas já deram para aquecer um pouco, custa sair de casa mas depois sabe bem a voltinha bem cedinho..


Continuei pela Cumeada, Castanheiro Grande, Casal dos Gafos, Valongo, Mós, Rolã, Casalinho e Atalaia, um pouco mais á frente cortei á direita e desci até á Ponte dos Cavalos..

Na descida estava bem fresquinho e tudo nublado, passei a pequena ponte que passa por cima da Ribeira da Sertã e toca a subir a subir até aos Escudeiros..


A subida soube bem para aquecer, nas calmas lá fui indo subida fora, no alto já dava para ver o sol a querer espreitar atrás da serra, mais uma bela paisagem para registar..



Safo da subida segui pelo Ventoso Cimeiro, Louriceira, Quintã e Roda, fiz uma paragem no Bar o Condestável para beber um cafézinho, bom para aquecer a alma..


Café tomado era hore de regressar ás pedaladas, passei por Cernache bem movimentada, entrei na reta e passei pelo Alto Ventoso, Vale da Lata e Porto da Cruz...

Continuei pela Variante até ao Vale Cortiço, segui depois á direita e passei Tapada, Codiceira, Zona Industrial, São João do Couto e entrei na Sertã pela Rotunda da Eirinha..

Passei a vila já atarefada e para terminar passei pelo Montinho e cheguei á Mougueira depois de umas pedaladas pela fresca sempre com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR..





terça-feira, 6 de novembro de 2018

RELVAS

Mais uma vez levantar cedinho e dar umas pedaladas para abrir a pestana, tinha andado a cuscar o tempo e davam umas abertas bem cedinho, bora aproveitar e esticar as pernas...


Sai de casa e fui até á Portela dos Bezerrins, o dia acordou muito nublado mas com uma temperatura bem agradável, mesmo á maneira..


Depois da Portela passei pelo Moinho do Cabo e Vale do Pereiro, á entrada da aldeia cortei á esquerda fui até ao Pereiro e continuei a subir até ao Vale da Junça..


Uma bela subida e um pouco longa, até ao Vale da Junça é mais soft depois uma segunda parte até ás Fontainhas esta mais inclinada...


Na subida muito nevoeiro, nem dava para ver as paisagens, assim até é melhor para não se ver a subida, só se ouvem as ventoinhas a fazer barulho...


Passei as Fontainhas e mais um pouco de subida cheguei ao alto, continuei até á Perna do Galego, passei a aldeia e segui até á fonte um pouco antes de chegar ao Alto das Relvas..


Cortei á esquerda e desci até á Aldeia das Relvas, uma aldeia perdida nas encostas da Serra dos Alvelos, passei e nem vivalma, estava tudo recolhido...


Á saída da aldeia um furo, pouca sorte a minha, um furo ali aquela hora, mas resolvi o azar num estantinho, foi só mudar a câmara de ar e segui viagem....


Roda cheia desci até á Ribeira da Santinha, Santinha, Figueiredo e mais umas pedaladas cheguei á Várzea dos Cavaleiros...

Hora do cafézinho, bom para aquecer a alma, não estava frio mas com a marzia um café quente sabem sempre bem..

Café tomado segui para o resto da voltinha, passei pela Aldeia Velha, Póvoa, Poiares, Ramalhosa, Portela dos Bezerrins e desci até á Mougueira..

Cheguei a casa depois de uma bela voltinha e umas belas subidas, as paisagens essas ficam para a próxima, o nevoeiro não dava para as ver...

E assim foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR...




domingo, 4 de novembro de 2018

VOLTINHA PELO COENTRAL GRANDE

Hoje uma voltinha lá para os lados de Castanheira de Pera, um sitio espetacular para umas pedaladas de fininha, com as cores de Outono encontram-se umas belas paisagens...

Combinei com o Eduardo para me fazer companhia nesta voltinha, mais uma vez o ponto de encontro foi na Pastelaria Estrela Doce, um cafézinho e o pastelinho de nata para ajudar á voltinha..


Cafeína tomada lá fomos dar ao pedal, saímos da Sertã pela Rotunda da Eirinha e Fonte Branca, hoje a previsão do tempo era de chuva a partir do meio dia, por isso bora dar ao pedal antes que chova..



Sempre descontraídos lá fomos passando Vale Martinho, Faleiros, Fonte da Mata, Porto da Cruz, Casal do Porto, Estradinha, Moinho de Vento e Carvalhos..



Estava uma bela temperatura para as pedaladas, este tempo é mesmo bom para uma voltinha, nem calor nem frio, o pior é se vem chuva ai a coisa fica molhada e não é agradável molhar o fatinho...

Nos Carvalhos seguimos a boa velocidade até á ponte que passa por cima do Rio Zêzere, uma paragem para ver a bonita Barragem da Bouçã, uma foto para registar a passagem e seguimos...


Pela frente tínhamos a subida até Figueiró dos Vinhos, longa mas bem fixe, é isto que se tem aqui na zona subidas e mais subidas, mas depois de uma subida vem sempre uma descida...ehehehe

Fomos pelo Corisco, Marvila, Bairradas, Retiro, Aldeia Cimeira e entramos em Figueiró dos Vinhos, hoje era dia de corrida, encontramos muita gente de sapatilha calçada...


Passamos a vila e não paramos, ainda era cedo para comer alguma coisa, decidimos seguir viagem, com o terreno mais rolante seguimos por Alagoa, Souto Fundeiro, São Nicolau, Troviscal e Castanheira de Pera..


Agora sim era hora de trincar alguma coisa, fizemos uma paragem na Pastelaria Cinco Villas para repor calorias, metade da volta estava feita, agora meter combustível para o resto da voltinha... 


Estava meio nublado mas nada de chuva, e ainda bem, barriga mais composta seguimos com as pedaladas, fomos em direção de Moredos e Sapateira, um pouco mais á frente cortamos á direita para Bolo..


Aldeia do Bolo mas não cheirava a nada, continuamos pela Pera, Pisões, Pisões da Teresa, Sarnadas e entramos no Coentral Grande, hoje era dia de Feira da Castanha..

Ainda estavam a montar as bancas e a tasca ainda estava fechada, demos meia volta e toca a andar, íamos passar na Mega Cimeira e fazíamos uma paragem para beber um Ginjinha...ehehehehe.


Fizemos o mesmo trajeto até Pera, seguimos depois á esquerda em direção de Botelhas e Palheira, aqui toca a subir uma daquelas subidas bem inclinada até ao Alto do Camelo...



Nas calmas lá fomos pedalando até ao alto, safos da subira descemos um pouco e cortamos á direita em direção da Mega Cimeira, foi uma bela descida, boa para aliviar as pernas...


No meio da aldeia uma Tasca, um local já meu conhecido das minhas voltinhas de bike, uma bela Ginjinha para aquecer a alma, bem docinha soube que nem Ginjas..eheheheheh


Com a boca mais doce seguimos com as pedaladas, passamos Varzina, Pisão, Estevianas, Vale do Laço, Milreu, Candeia, Cilha Velha e chegamos á Mega Fundeira..


Fundeira que dizer lá no fundo, e é mesmo, agora subir até ao Alto da Louriceira, mais uma subida bem chata, mas tem que ser, lá fomos até ao Alto da Louriceira, nas calmas e nada de pressas....
Subida passada e já no alto seguimos pela bela aldeia da Picha, Venda da Gaita, Tojeira, Valongo, Vale da Manta e entramos em Pedrogão Grande..

Seguimos á esquerda e descemos até á Barragem do Cabril, nesta altura do ano a água está bem baixa, que venha chuva para encher aquela albufeira...


Foto tirada continuamos por Pedrogão Pequeno, Painho, Vale da Froca, Amieira, Ramalhos, Casal da Escusa, Povoa da Ribeira Cerdeira e Vale Cortiço..


Aqui umas pinguinhas de chuva, mesmo a tempo, fizemos a voltinha e é aqui que começa a chover, bora até á Sertã rápido para não molhar o casaco...

Seguimos pelo Casalinho, Tapada, Aveleira, Alto da Carreira, Zona Industrial, São João do Couto e chegamos á bela vila da Sertã...



A chuva foi só uma ameaça, foi só para meter medo, fomos até ao Bar do Minipreço para beber alguma coisa, a voltinha tinha corrido mesmo bem, nada melhor que brindar á voltinha..
Um moscatel para abrir o apetite enquanto demos dois dedos de conversa com malta conhecida, copo vazio despedi-me do Eduardo e segui, fui até ao Campo de Futebol do Sertanense ver a minha jogadora..


A minha filha estava a jogar, nada melhor que chegar e pouco depois ela marcar um golo, foi a cereja no topo do bolo, voltinha espetacular e um golo marcado pela minha jogadora preferida..


Ainda deu tempo para ver o resto do jogo, apito final segui para a minha ultima subida, passei pelo Montinho e com mais umas pedaladas cheguei á Mougueira..
Mais uma bela voltinha por umas belas estradinhas, umas belas subidas e umas belas descidas, as paisagens essas foram do melhor e com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR...



domingo, 28 de outubro de 2018

VOLTINHA DA JEROPIGA

Domingo mesmo com o alerta de muito frio, bora dar ao pedal, malta rija não tem medo do frio, venha lá uma voltinha com umas subidas que dê para aquecer, eu o Eduardo e o David um belo trio de atletas...

Combinamos na Estrela Doce para o cafézinho e o belo pastelinho de nata, na hora combinada lá estava a malta para uma voltinha de fininha, fomos ver a Aldeia de Água Formosa, uma bonita Aldeia de Xisto..


Saímos da Sertã pela Venda da Pedra, para aquecer um bocadinho subimos até á Junceira, depois da Cumeada era descer até á Ribeira da Isna, aqui já deu para bater o dente um bocadinho.


Descida feita e bem fresquinhos toca a subir para aquecer, ás vezes as subidas sabem bem, e hoje vinham mesmo a calhar, passamos pela Fundada, Milriça e chegamos a Vila de Rei..


O solinho vinha lá meio envergonhado, mas não estava tanto frio como os senhores do tempo diziam, a malta aqui desta zona sabe bem o que é frio, e quando cai geada é que é..


Á saída de Vila de Rei seguimos á esquerda e passamos pelo Penedo, um pouco mais á frente seguimos á esquerda em direção do Milreu, passamos na aldeia ainda com pouca gente na rua, estava frio !!!

Continuamos atravessamos a variante da Nacional 2 e fomos até á aldeia da Lousa, seguimos mais um pouco e entramos na bonita aldeia de Água Formosa, é sempre um gosto pedalar naquela aldeia..


Uma passagen pelas ruelas da aldeia e continuamos a voltinha, uma subida para sair dali e fomos ter aos Ribeiros, Quinta da Laranjeiras e chegamos á Amêndoa..


Paramos para beber um Café, bom para aquecer nesta manhã fresquinha, mas sabia bem um coisinha doce, disse para os meus colegas, vamos até á Adega do Ti Cabaço beber um Jeropiga docinha..


Lá fomos nós ver da guloseima, passamos pelos Palheirinhos, Revelha, Pé da Serra, Vinha Velha, Granja e entramos no Robalo, fui ter a casa dos meus Pais, uma visita de médico para ir á adega...eheheeh


Encontrei o meu pai a cortar uma lenha, dois dedos de conversa e fomos até ao tal sitio, á Adega do Ti Cabaço adoçar a boca, bela Jeropiga bem docinha, a malta até se lambeu...

Depois da Jeropiga era hora de seguir viagem, despedidas feitas seguimos pelo Cabo, Gargantada, Freixoeiro, Arganil, Mesão Frio, Vale da Carreira, Caniçal Fundeiro e Caniçal Cimeiro.

Com a malta sempre descontraída seguimos até ao Pontão do Laranjeiro, agora uma subida até Proença-a-Nova, em Proença fizemos mais uma paragem no Bar do Intermarche para comer alguma coisa...


A voltinha estava a correr á maneira e uma paragem para comer não podia faltar, o depósito tem que ter combustível se não o viatura não anda...

Barriguinha mais aconchegada lá continuamos as pedaladas, á saída de Proença cortamos á direita em direção da Sarzedinha, Eiras, Ribeiro de Eiras, Cabeço do Moinho, Isna de São Carlos e Maljoga..

Quase a terminar a voltinha seguimos pela antiga estrada que liga a Sertã a Proença-a-Nova, cortamos á direita para Moinho Branco, Vale do Pereiro, Moinho do Cabo e Portela dos Bezerrins..

No Portela foi descer um pouco até á Mougueira, fiquei por casa  e despedi-me do Eduardo e o David que seguiram até á Sertã, era só mais um bocadinho de descida...
Foi uma bela voltinha nesta manhã de domingo bem fresquinha, uma visita á bonita aldeia de Água Formosa e á Adega do Ti Cabaço, sempre com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR..