sexta-feira, 21 de setembro de 2018

MALPICA

Hoje na companhia do Eduardo mais uma voltinha para acabar bem a semana, todos os dias são bons para dar ao pedal, levantar cedinho para uma voltinha não custa nada...

Sai de casa desci até á Sertã e fui ao encontro do meu colega, dueto completo lá fomos esticar as pernas um pouco, saímos da Sertã pela Rotunda da Eirinha e Fonte Branca..


Sempre descontraídos lá fomos passando Vale Martinho, Faleiros, Fonte da Mata, Porto da Cruz, Vale da Lata, Alto Ventoso e Cernache do Bonjardim..


Cernache já tinha algum movimento, muita gente a ir trabalhar, um pouco mais á frente na Roda cortamos á direita, mais umas pedaladas chegamos á Igreja de Santa Maria Madalena..


No alto já dava para ver o sol a querer espreitar lá atrás da serra, mais um nascer do sol lá no alto, uma maravilha, vale bem a pena levantar cedo e ver aquele espetáculo...

Tiramos umas fotos e toca a descer até Cernache, fizemos uma paragem no Bar o Condestável para beber um cafézinho, bom para aquecer, é que estava bem fresquinho...


Mais quentinhos seguimos pelo mesmo trajeto até ao Porto da Cruz, seguimos depois pela Variante até ao Vale Cortiço e Malpica, continuamos em frente pela Codiceira e Cruz Fundeira..


Na Cruz Fundeira cortamos á direita e descemos um pouco até á Foz da Valada, subimos um pouco e entramos na Sertã no Cimo da Vila, passamos na Rua do Vale e deixei o Eduardo em casa...

Para terminar a voltinha passei pelo Montinho e cheguei á Mougueira depois de mais uma bela voltinha pela fresca, mais uma com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR..



terça-feira, 18 de setembro de 2018

SARDINHEIRA

Hoje lá fui a mais uma consulta de terapia com a minha terapeuta, é uma bela terapeuta, não me chateia a cabeça e nem ralha comigo, eu ás vezes é que ralho com ela...eheheheeheh


Cedinho peguei na minha fininha e lá fui dar umas pedaladas, sai de casa desci até á Sertã e para aquecer um bocadinho subi a Rua do Castelo passei  a Câmara Municipal e Bombeiros...


Continuei pelo Casalinho de São Fagundo, Barracão, Maxial, Cruz do Fundão, Sardinheira e Selada da Lameira, até aqui foi sempre numa ligeira subida...


Bem fixe para aquecer um pouco o motor, os dias estão quentinhos mas as manhãs estão bem frescas, depois da Selada da Lameira segui á direita e desci até ao Vale do Laço..


Já dava para ver o sol a nascer lá atrás da serra, mais uma voltinha e mais um nascer do sol, que espetáculo, sair do vale dos lençóis custa, mas ver o sol nascer é uma bela recompensa...


Segui á direita em direção do Troviscainho, Vale do Inferno, Troviscal e cheguei á Cruz do Fundão, aqui paragem para o cafézinho, não podia faltar a dose de cafeina logo cedo..


Café tomado continuei com a voltinha e fiz o mesmo trajeto até á Sertã, na Sertã desci pela Rua do Vale, passei pelo Montinho e cheguei á Mougueira depois de mais uma bela voltinha bem cedinho..


E assim foi mais uma voltinha com o lema de sempre PEDALAR PARA DESCONTRAIR...



domingo, 16 de setembro de 2018

VOLTINHA MAIS ROLANTE

Hoje na companhia do Eduardo e do David fui dar umas pedaladas lá para os lados do Alto Alentejo, foi para desenjoar um pouco as subidas aqui da zona...


Fomos de carro até Alferrarede onde íamos começar a nossa voltinha, saímos bem cedinho da Sertã até ao ponto de partida, estacionamos a viatura, preparamos as coisinhas e bora que se faz tarde...

Ainda meio lusco fusco fomos até Barreiras do Tejo, passamos por cima do belo Rio Tejo e já na outra margem continuamos pelo Rossio ao Sul do Tejo, Arrifana, Salvadorinho e Bemposta..



No meio da Bemposta cortamos á direita, por uma estradinha bem sossegada passamos Chaminé, Água Travessa,  Estação, Foz, Tojeiras Baixo, Folgas e Gorjão...


Belas estradinhas estas, sem carros, sem subidas, uma maravilha, mas quem diz que o Alentejo é plano está bem enganado, tb tem as suas subidas, que depois de uns km sempre a rolar tb custam um bocadinho..


Sempre descontraídos lá seguimos por Martingil, Marmeleiro, Caneira, Talasnas, Perna da Curva, Junco e Parreira, aqui fizemos uma paragem no Café Parreira para comer alguma coisa...

Acumular algumas calorias para a voltinha, andar de bicicleta não é só pedalar, existem muitas coisas que temos que fazer para pedalar, e comer é uma dessas...


Barriguinha mais composta seguimos com a voltinha, depois de Parreira e Salvador seguimos á direita em direção de Caniceira, Vale de Cavalos, Chamusca e Ponte da Chamusca...


A comida em Parreira não tinha sido grande coisa, nada melhor que fazer outra paragem para comer uma bela sandoxa e beber uma cervejinha fresca...

Assim sim, a coisa está melhor, calorias repostas para o resto da viagem, comer e beber nunca fez mal a ninguém, vamos lá que temos o almoço á espera...



Sempre com o Rio Tejo a fazer-nos companhia passamos Ariolas, Pinheiro Grande, Godinhos, Carregueira, Arrepiado e Constância Sul...



Aqui o cheiro era um pouco esquisito por causa da fábrica de pasta de papel, não sei como é que as pessoas ali conseguem viver, já devem estar habituadas, mas o cheiro é muito mau....
Continuamos por mais umas retas até Couto das Areias e á entrada da Área Militar de Santa Margarida, a malta já ia farta de retas, ainda bem que vinham ai umas curvinhas para desenjoar...

Continuamos pelo Tramagal e umas saborosas curvinhas depois chegamos ao Rossio ao Sul do Tejo, tínhamos passado ali umas horas antes, ainda era lusco fusco, mas agora já fazia calor...



Quase a terminar a voltinha passamos novamente por cima do Rio Tejo, passamos Barreiras do Tejo e chegamos a Alferarede, o fim da nossa voltinha..


Antes de arrumas as bikes fomos beber uma coisa fresca, o calor já vinha a apertar, ainda bem que começamos a voltinha bem cedinho, bom para não apanhar muito calor...


Mais frescos fomos até á viatura, arrumamos as bikes e o resto das coisinhas, regressamos á Sertã satisfeitos com mais uma bela voltinha desta vez pelo Alto Alentejo...

E assim foram mais umas pedaladas com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR...



sábado, 15 de setembro de 2018

SENHORA DA CONFIANÇA

Sábado tb é dia de pedaladas, nada melhor que começar o fim de semana a dar ao pedal, mais uma vez tive a companhia do Eduardo, fomos ver as paisagens lá no alto da Senhora da Confiança..


Sai de casa desci até á Sertã, o Eduardo já estava á minha espera, assim demos inicio á voltinha, saímos da Sertã logo a subir até São João do Couto, Zona Industrial e Alto da Carreira..


Deu para aquecer esta subidinha, no alto seguimos pela Aveleira, Tapada, Casalinho, Vale Cortiço, Póvoa da Ribeira Cerdeira, Casal da Escusa e Ramalhos, é uma boa terapia para aliviar o stress do dia á dia..

Passamos os Ramalhos e continuamos pela Amieira, Vale da Froca, Painho e entramos em Pedrogão Pequeno, decidimos ir ver as paisagens lá no Alto da Senhora da Confiança..


No alto é onde se tem as melhores vistas, e lá do alto tem-se uma bela panorâmica da Barragem do Cabril, que bela vista logo bem cedinho..


Ali nos entretemos um bocadinho a desfrutar aquela maravilha, tiradas as fotos seguimos viagem, fizemos o mesmo trajeto no regresso á Sertã..


Um pouco depois do Vale da Froca encontramos o David que vinha ao nosso encontro, com o grupo maior regressamos por ai fora sempre descontraídos..



Na Zona Industrial fizemos uma paragem no Bar da Roliser para beber um cafézinho, mais dois de
conversa enquanto bebíamos o café, sem pressas e sem stress...


Depois do café tomado seguimos e entramos na Sertã, deixei o Eduardo e o David e para terminar subi até á Mougueira, foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR..


sexta-feira, 14 de setembro de 2018

MALHADAL

Pela fresca é que sabe bem, mais uma voltinha que soube que nem ginjas, na companhia do Eduardo fomos pedalar por umas belas estradinhas aqui da Zona do Pinhal..


Sai de de casa e fui ao encontro do Eduardo que vinha da Sertã, juntei-me a ele e subimos até á Portela dos Bezerrins, seguimos depois pelo Moinho do Cabo, Vale do Pereiro e Moinho Branco..



Mais á frente na Maljoga seguimos á esquerda e sempre descontraídos passamos pela Isna de São Carlos, Moinho de Vento, Ribeira de Eiras, Eiras e Sarzedinha..



Maravilha estas estradinhas, carros nem velos, só ar puro, o único problema foi o Eduardo que atropelou uma coruja, ainda era de noite e ela atrapalhou-se com as luzes, apanhou um belo cagaço.
Na Sarzedinha seguimos á esquerda e subimos um pouco até ao Malhadal, passamos a aldeia ainda deserta, passamos ao lado da Igreja e toca a descer até á Praia Fluvial..


Foi sempre a bombar por ali abaixo, passamos a ponte que passa por cima da Ribeira da Isna e demos uma espreitadela no bonito espelho de água e toca a subir mais um bocadinho..



Nas calmas lá fomos até á Ermida, no alto seguimos á esquerda em direção do Sipote, depois do Sipote e com mais um bocadinho de subida chegamos ao Alto das Fontainhas...


Já safos das subidas era hora de descer, sempre a boa velocidade passamos pelos Pisões e fizemos uma paragem na Várzea dos Cavaleiros para beber um cafézinho...


Mais um pouco de cafeina para dar genica, café tomado continuamos pela Aldeia Velha, Povoa da Várzea, Poiares, Ramalhosa, Portela dos Bezzerrins e Mougueira..


Eu fiquei por casa e o Eduardo segui até á Sertã, foi mais uma voltinha espetacular, acordar cedo e ir dar umas pedaladas é uma maravilha...

E assim foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR...