segunda-feira, 4 de abril de 2016

VALE DA RIBEIRA DO SINHEL

Ontem foi mais um dia com uma bela voltinha, desta vez na minha roda grossa.
Como os senhores do tempo davam umas pinguinhas decidi ir passar a minha grossa lá para os lados de Alvares no bonito Vale da Ribeira do Sinhel.

Sai de casa na minha viatura fui até Alvares e estacionei ao pé do Monumento ao Resineiro, preparei as coisinhas e lá segui para a voltinha.


O dia estava meio farrusco e com algumas pinguinhas, mas nada que me mete-se medo, chuva civil não molha ciclista.



Dei inicio ás pedaladas e segui por algumas ruas de Alvares até á Praia Fluvial, passei a ponte romana que passa por cima da Ribeira do Sinhel e subi um pouco pelo alcatrão até á estrada nacional.


Lá fui pedalando sempre descontraído até ao Amioso do Senhor, ali andei um pouco por uns belos singles ao lado de umas hortas.


Passei depois a aldeia e continuei até ao Amioso Cimeiro, continuei por uma ligeira subida serra a cima.
Um pouco mais á frente encontrei uma casa reconstruida no meio da mata, deve de ser de algum inglês, aqueles que gostam de sossego, e a chaminé botava fumo de certeza que mora lá gente.


Passei ao lado da casa e desci até a umas hortas já abandonadas, subi por uma encosta e fui ter a umas casas, devia de ser uma pequena aldeia agora já em ruínas, antigamente bem povoada.

Continuei por mais uma bela subida serra a cima, mais um pouco e segui por um caminho á meia encosta com uma bela paisagem.


As subidas têm sempre a sua recompensa, o tempo estava agradável, a chuva tinha dado umas tréguas, não se podia pedir mais para umas excelentes pedaladas.

Um pouco mais á frente segui por uma bela descida até á aldeia da Roda Cimeira, cheguei á pequena praia fluvial ali num bonito cantinho da Ribeira do Sinhel.
Dei uma voltinha e depois fui ver uns singles que tinha visto lá do alto, mas não tive sorte era só de serventia a umas hortas.

Andei a ver as ruelas da aldeia e subi até á antiga escola, desci depois por um single e fui ter a uma pequena ponte antiga.


Andei a tirar uma fotos á ribeira e a umas bonitas quedas de água, depois das fotos continuei por um single até á aldeia da Roda Fundeira.


Passei no meio da aldeia da Roda Fundeira e vi umas belas casinhas em pedra todas recuperadas, uma maravilha.


Com mais umas belas fotos tiradas continuei e fui até á Relva da Mó, mais uma aldeia perdida no vale, aqui encontrei algumas casas que arderam há alguns anos atrás.


Passada a aldeia da Relva da Mó segui a voltinha e fui ter a um pequenina aldeia reconstruida chamada de Madeiros Pequenos, com duas ou três casinhas recuperadas, um belo cantinho.

A voltinha estava a ser bem fixe, uns belos cantinhos e umas paisagens mesmo á maneira, é disto que eu gosto.


Continuando a volta fui até ao Amiosinho sempre com a companhia da Ribeira do Sinhel a correr por cima das pedras com umas bonitas quedas de água e o verdinho a dar uma bela panorâmica.


Passado o Amiosinho segui e entrei em Alvares pela antiga Fábrica de Lanifícios, passei novamente ao lado da Praia fluvial onde parei para tirar mais umas fotos.


Depois das fotos fui até ao café do amigo Zeca para comer e beber alguma coisa, cheguei lá e ele estava de volta do grelhador a assar uns frangos.
Era para comer uma sandes mas fiquei-me por uns belos pedaços de frango assado, acompanhados de uma bjeca, ui ui soube mesmo bem...


Já com a barriga composta despedi-me do Zeca e fui até á minha viatura, arrumei a bike e o resto do material e regressei a casa satisfeito depois de mais uma bela voltinha.
Mais uma voltinha por uns belos cantinhos e umas belas paisagens por um bonito vale com algumas aldeias quase abandonadas.


E assim  foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR.


2 comentários:

  1. Sempre a mostrar novos e lindos recantos do interior!
    Abraço
    Silvério

    ResponderEliminar
  2. Grande amigo
    é sempre um prazer acompanha lo nestas voltinhas. o amigo a pedalar e eu sentadinho no sofá apreciando as belas imagens dos locais por onde passa
    São todos locais por onde passei varias vezes mas sempre na estrada e num veículo de 4 rodas.
    Era um gosto poder fazer esse desporto
    continue a brindar nos com essas belas pedaladas
    abraço

    ResponderEliminar