domingo, 22 de junho de 2014

SERTÃ-FÁTIMA-SERTÃ

Neste segundo dia de verão foi dia de voltinha, mas foi uma voltinha em que apanhei pelo menos três molhas, onde anda o raio do verão, anda muito envergonhado.

Sai de casa e desci até á Pastelaria Estrela Doce para o cafézinho, e como não podia faltar o pastelinho de nata, ingerir calorias que a voltinha era das boas.

Sai da Sertã pela Rotunda da Eirinha e Fonte Branca, lá fui pedalando e cantando sozinho porque não arranjei companheiro para a volta, fui passando Faleiros, Porto da Cruz, Alto Ventoso, em Cernache segui pela direita e desci a Milheirós, Moinho de Vento e Barragem da Bouçã.

Parei na ponte para tirar uma foto mas o tempo estava todo enublado, continuei pelo Corsico, Maravil, Bairrada e Figueiró dos Vinhos, desta vez não parei na pastelaria ainda ia atestado, segui pela esquerda e desci até Enchecamas, Aldeia de Alge e Foz de Alge.

Era só pessoal a meter os barcos na água, ia tudo para a pesca, segui depois sempre ao lado da Albufeira da Barragem de Castelo de Bode e passei, Valbom, Casalinho de Santana, depois do Casalinho era subir até á Ribeira do Bráz, Lameirão e Portela do Bráz.
Aqui já estava safo de mais uma subida, continuei e passei pela Amieira, Cabaços, Pussos, Portela das Feiteiras, Carrasqueiras, Zambujal, Sobral Chão, Venda do Preto, Aldeia da Serra, Várzea do Bispo e Freixianda.



Aqui parei numa pastelaria para comer alguma coisa, uma tartezinha de nata, um suminho e um café para aconchegar, baterias carregadas para mais uns kms, lá fui e segui por uma estrada onde passo para ir buscar material para a minha loja, quando ali passo imagino que é uma estrada fixe para pedalar, e hoje foi o dia de experimentar.

Passada a rotunda da Perucha segui pela direita e lá fui passando Besteiros, Camarões, Reca, Fárrio, Mata, Vale da Meda, Cartaria, Albergaria dos Doze, Eguins, Couções e Memória.

Aqui foi onde começou a primeira molha do dia, sem impermeável ia ser bonito, mas que se lixe depois de molhado molhado ficava eeheheeheh, com as pingas a cair fui passando Cerrada, Caranguejeira, Casal da Cruz, Caldelas, Chão do Pisco, Casal Vermelho, Olivais, Pedrome, Loureira e cheguei ao Santuário.

Dei uma espreitadela ao Santuário onde estava a começar a missa, tb encontrei muita malte de bike que estava a chegar da sua peregrinação, ali estive um bocadinho, mas com as horas a passar tinha que seguir, é ainda tinha que regressar á Sertã.
Segui e fui ter á Rotunda dos Pastorinhos, passei na vila de Fátima e desci por uma estrada onde nunca tinha passado de bike, desci ao Casal Novo e São Sebastião, a partir daqui a estrada já não era novidade para mim, já sabia onde estavam as subidas mais difíceis.


Tinha pensado ir comer alguma coisa em Tomar mas em Ourem vi uma pastelaria que me despertou a atenção e foi ai que estacionei a bike, fui comer alguma coisa, é que as calorias já iam baixas ehehehheh.

Entrei na Pastelaria Veneza e olhei para a vitrina vi tanta coisa que a minha vontade era comer um de cada mas não era capaz eheehheheheh,  optei por uma sandoxa mista e uma coca cola, e claro um cafézinho.


Com a barriga já atestada meti-me novamente á estrada, passei a Cidade de Ourem e lá fui pedalando, passei Lagarinhos, Alcaidaria, Alburitel, Furadouro, Vale dos Ovos, Chão das Maçãs, Carregueiros, Casal das Sortes e Tomar.

Passei a cidade de Tomar e vi muito pessoal nas esplanadas a beber o seu cafézinho, parei só para tirar umas fotos e segui é que as nuvens já lá vinham um bocadinho negras, era sinal de mais uma molha.
Depois de Tomar passei Gorduchas, Alvito, Calçadas, Casal dos Muros, Pintado, Feiteira, Alviobeira, aqui foi mais umas boas pigas a cair em cima do costado, era para arrefecer eheheheehe.


Com a chuva a teimar em não passar lá fui pedalando, passei Portela da Nexebra, Salgueiral, Regueiras, Água Todo o Ano, Lamaceiros e Ferreira do Zêzere, aqui a chuva já amaino um pouco, deu uma folguinha.

Agora tinha que enxugar a roupinha, lá passei Venda da Serra, Águas Belas, Casalinho, Bela Vista, Besteiras, Vales e numa descida a boa velocidade depressa cheguei ao Vale Serrão.


Parei mais uma vez para comer alguma coisa no café das Bombas, aquilo era um corrupio desgraçado, tanta gente ainda a almoçar, uma tremenda confusão, lá pedi um bolicao e um sumo para me despachar.

Com a papinha já ingerida lá segui, e reparei que vinham lá umas nuvens negras, sinal de mais uma molha, pensei cum catano outra, lá terá que ser, desci até á ponte do Vale da Ursa e comecei a ultima grande subida do dia, um puco mais á frente lá veio mias umas pingas, mais uma para a coleção...

Já na Portela da Oliveira e com a subida já feita, agora era mais rolante, passei Casal Madalena, Roda do Cabeço, Ramal da Quintã e Cernache do Bonjardim, aqui a chuva já era mais fraquinha, era hora de dar mais ao pedal para despachar.
De Cernache até á Sertã não tem subidas é só a direito a descer por isso a que dar ao canelo para não apanhar mais chuva, passei Porto da Cruz, Fonte da Mata, Faleiros e num estante cheguei á Sertã, entre novamente pela Fonte Branca e Rotunda da Eirinha.


Pouca gente se via na rua estava para chover outra vez e não estava lá muito bom para andar a passear, passada a vila subi pelo Montinho e cheguei á Mougueira com mais uma boa voltinha, foram mais de duas centenas de km e três molhas, mas uma voltinha muito boa.

E assim foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR.

1 comentário:

  1. Grande e Espectacular volta! Parabéns my Friend!
    Grande Abraço
    Silvério

    ResponderEliminar