sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

OUTEIRO DA LAGOA-CHARNECA

Hoje foi dia de voltinha logo pela fresca, estava mesmo fresco uma temperatura esquisita, se calhar já não estou habituado ás voltinha logo cedo, tenho que continuar para calejar...

Sai de casa e fui até á Sertã, já se via algum movimento aquela hora, segui até á Rotunda da Eirinha e subi ao Alto do Boeiro.


Com o sol já a espreitar lá atrás da serra segui pelo Olival, Outeiro da Lagoa, Lameira da Lagoa, Ponte do Robalo, Nesperal, Vale Matias Afonso, Paparia e cheguei a Cernache do Bonjardim.



Aqui já havia mais transito, o pessoal a ir para o trabalho, sai de Cernache e continuei pela reta até ao Alto Ventoso.

Antes de chegar ao porto da Cruz segui pela estrada nova, passei Vale Cortiço, Malpica, Casal Maio e Codiceira.



Passei ao lado da Igreja e desci á Ponte da Charneca, subi até á Zona Industrial, passei São João do Couto e entrei na Sertã novamente pela Rotunda da Eirinha.

Passei a vila com mais gente, hoje é dia de mercado e muitas pessoas das aldeias vêm até á vila para fazer as compras da semana.


Continuei a voltinha pelo Montinho e cheguei á Mougueira depois de mais umas belas pedaladas pela fresca, já tinha saudades de umas pedaladas ao nascer do dia.

E assim foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR.



terça-feira, 26 de janeiro de 2016

FERRARIA DE SÃO JOÃO-PRAIA FLUVIAL DA LOUÇAINHA

O ano está não está a começar bem no que diz ás pedaladas, a falta de tempo está a estragar tudo, mas vamos lá ver se as coisas se compõem.

No domingo tinha planeado uma voltinha de fininha lá para os lados das Ferraria de São João, sabia que tinha umas boas subidas pela frente, por isso tinha que levar vontade.


Sai de casa fui beber um cafézinho e comer o habitual pastelinho de nata á Pastelaria Estreala Doce e segui até Pedrogão Grande de onde ia dar incio á voltinha.



Encostei a carrinha, preparei as coisinhas e lá segui para umas pedaladas por algumas estradinhas mais recatadas.


Sai de Pedrogão e desci até á Ribeira de Pera, até aqui a coisa foi rápida, passei a ponte e a primeira subida do dia até á Mó Grande era fácil.


Com a subida feita o terreno agora era mais rolante, passei pelo Casalinho, Mó Pequena, Lameira Cimeira, Outão, Pinheiro Bordalo e Soalheira.
Um pouco mais á frente cortei á direita para Castanheira de Figueiró, uma estradinha em calçada para mexer o esqueleto um pouco.

Continuei até á Ervideira, Bairrão e Casal da Cruz, passei por cima do IC 8 e desci para Chimpeles, mais um sobe e desce lá fui até Moninhos Fundeiros, Salgueiro da Lomba e Salgueiro da Ribeira.
Agora é que vinha a parte pior, no Salgueiro da Ribeira cortei á direita e tinha uma bela subida pela frente, lá fui nas calmas até á Lomba da Casa e Cercal, não foi pera doce mas tinha que se fazer...

No Cercal cortei á direita e segui até á Ferraria de São João, uma aldeia de Xisto bem lá no alto, andei pela aldeia a ver as casinhas de xisto e a tirar umas fotos, entreti-me ali um bocadinho a ver a aldeia.

Depois de algumas fotos tinha que seguir, passei ao lado do Centro de BTT e desci até ao Favacal, Farelo, Bouça, Casal Novo e Viavai.


Até aqui tinha sido a descer, depois de Viavai continuei pelos os Carvalhais, Solão, Torre de Chão do Pereiro, Chães e Espinhal.

Passei a vila do Espinhal mas não parei segui por uma bela subida até ás Cancelas, uma subida com algum vento de frente para apimentar a coisa.

Já no alto segui até á Louçainha e mais á frente encontrei a bela Praia Fluvial, ainda tive para dar um mergulho para estava vazia eheheheeheh.


Tirei umas fotos e segui, subi até Malhada Velha, Bajancas Fundeiras, Relvas e entrei na estrada nacional que liga o Espinhal a Castanheira de Pera.

Continuei e mais uma subida até perto do São João do Deserto, cortei á direita e desci por uma valente desci até Pardieiros Fundeiros, uma aldeia perdida num vale onde passa a ribeira com o mesmo nome.


Passei a ponte subi um pouco para depois descer até á Ribiera de Alge e ao lugar da Goladinha, um lugar com umas casinhas recuperadas, bem bonito...

Depois da Goladinha subi até á Portela da Aldeia Fundeira e Vilas de Pedro onde continuei por mais uma valente subida, o dia era de subidas e das boas..
Segui depois para Alagoa, Vila Facaia, Casal de Alem, Vale Nogueira, Campelos e Mosteiro onde passei ao lado da bonita praia fluvial.



Depois do Mosteiro era mais uma subida até aos Trosviscais, segui pelas Fontainhas e a ultima subida até Pedrogão Grande.

Cheguei a Pedrogão depois de uma bela voltinha com umas valentes subidas e umas breves descidas, pois as descidas parece que são mais curtas eheheheeh.


Arrumei a bike e regressei a casa satisfeito com mais uma exelente voltinha de fininha por uns belos catinhos e umas estradinhas mais recatadas.
E assim foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR.





segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

ÁGUA FORMOSA-ROBALO

Umas semana depois de descanso ontem foi dia de por o rabinho em cima da minha fininha, já tinha saudades dela, de fazer umas voltinhas mais esticadas por estradinhas aqui da zona do pinhal.


Ontem fui dar uma vista de olhos á aldeia de Água Formosa, uma das Aldeias de Xisto aqui nas redondezas.

Sai de casa e fui até á Portela, aqui segui pela direita e fui indo pelo Salomão, Carascal, Outeiro das Colheres, Vaquinhas Cimeiras, Bela Vista e Cumeada.

Parei no Café das Bombas para beber um cafézinho, o dia estava meio nublado e com umas nuvens escuras, ainda vou apanhar uma molha pensei eu, mas tive sorte o São Pedro até que se portou bem.


Depois do cafézinho segui e desci pelo Chão da Telha até á Barragem da Ribeira da Isna, parei para ver a bonita queda de água e tirar uma foto, lá segui por uma boa subida.

Fui indo nas calmas e passei ao lado da Fundada, mais um pouco passei a Milriça e cheguei ao alto onde se avista Vila de Rei, desta já estou safo.
Fui pela grande recta e passei Vila de Rei, continuei pela N 2 até ao cruzamento do Milreu, aqui cortei á esquerda para a aldeia da Lousa.

Passei a Lousa e segui em direção do Vilar do Chão, uns km mais á frente cortei á direita para a Água Formosa.

Entrei na aldeia no alto de onde se tem uma bela panorâmica, dá para ver as casinhas todas bem arranjadinhas, bem bonitas.


Desci até á ponte pedonal e passei para o outro lado da aldeia, a aldeia é dividida pela Ribeira da Galega.
É disto que eu gosto, pedalar e ver o que temos de bonito no nosso país, sem grandes pressas e a desfrutar o que tenho ao redor.



Ali andei pelas ruelas a ver a tirar umas fotos, bonitas casinhas todas arranjadas mas ainda há muitas em ruínas, quem sabe um dia estão todas recuperadas.
Depois de uma voltinha pela aldeia e umas fotos segui pelos Ribeiros, Quinta das Laranjeiras, Fonte Seca, Amêndoa, Palheirinhos, Pé da Serra, Vinha Velha, Granja e cheguei ao Robalo.

Aqui fui fazer um visita aos meus pais, foi uma visita de médico, dois dedos de conversa e toca a seguir viagem.


Despedidas feitas e segui pelo Cabo, Gargantada, Freixoeiro, Arganil, Mesão Frio, Vale da Carreira, Caniçal Fundeiro, Caniçal Cimeiro, Pontão do Laranjeiro e subi até Proença a Nova.

Parei na pastelaria para comer alguma coisa, a barriga estava a dar sinal de reserva, um bolinho e um cafézinho caíram mesmo bem, fiquei pronto para o resto da voltinha.


Sai de Proença e passei Sarzedinha, Eiras, Ribeiro de Eiras e Isna de São Carlos onde parei para ver a bonita ribeira e a Praia Fluvial nesta altura do ano com água bem limpinha.

Continuei até á Maljoga, aqui segui pela estrada antiga que liga a Sertã a Proença a Nova.
Passei Moinho Branco, Vale do Pereiro, Moinho do Cabo, Portela dos Bezerrins e cheguei á Mogueira depois de mais umas belas pedaladas de fininha.


Uma voltinha bem fixe com o tempo a ajudar, estava meio nublado mas sem chuva, foi mesmo á maneira.
E assim foi mais uma voltinha com o lema PEDALAR PARA DESCONTRAIR.